segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

ENTREVISTA: Riccardo Patrese


Depois de esperar semanas para fazer este post, finalmente ele sai do forno para que vocês possam ver uma rara entrevista á Riccardo Patrese, não feita por mim, e sim pelo próprio site do italiano que é difícil de ser entrevistado. Eu tentei fazer quatro perguntas, porém o comentário que enviei na postagem acabou não sendo aprovado pelo moderador, mas pelo menos a outra pergunta foi respondida... Além de mim, o Paulo Alexandre Teixeira do Continental Circus também enviou algumas perguntas.

Legendas:
Q - Questão
RP - Riccardo Patrese
VAV - Minha questão


Q - "Fale sobre Estoril quando Berger diminuiu para entrar nos boxes - você conversou com ele depois?"

RP - "Falei com ele imediatamente depois do acidente, mas ele não parecia se importar muito com a coisa errada que tinha feito. Por causa disso eu estava irritado e nós não conversamos muito por muitos anos depois. Muito mais tarde, ele veio até mim e pediu desculpas. Nós nos encontramos novamente este ano na Áustria, onde nós estávamos fazendo voltas de demonstração e ele se desculpou novamente."



Q - "Você teve um desempenho fantástico no velho Nürburgring na F2 em 1977. Como você aprendeu a pista e nunca lamentou que a F1 não foi mais lá depois que você tinha chegado a F1?

RP - "Eu aprendi a pista em 1976, quando eu estava correndo para a Chevron e Trivellato na F3. A primeira corrida da temporada foi em Nürburgring então, com meu chefe de equipe, decidimos ir ao circuito na terça-feira antes da corrida para que pudéssemos aprender o circuito antes do fim-de-semana de corrida. 23Kms não é fácil de aprender. Quando chegamos, fomos fazer algumas voltas com nosso carro de estrada, mas eles nos disseram que o circuito foi fechado como havia um teste privado de pneus acontecendo. Eles nos disseram que poderíamos caminhar ao lado da pista, então nós caminhamos pra baixo do circuito só para observar. Começamos a andar na parte da manhã comigo escrevendo notas como um co-piloto de rally, depois de um par de horas nós dissemos onde nós estamos?! Nós olhamos no mapa e percebemos que estávamos quase do lado oposto do circuito de onde começamos, então podíamos voltar por onde viemos e ver a mesma parte do circuito de novo, ou ir para frente. Nós completamos a volta assim, caminhando por horas com todos os meus papéis e notas. Antes de eu dormir, mais tarde, eu estudei todas as minhas anotações. Quando o fim-de-semana de corrida começou, depois de duas voltas no carro eu sabia o circuito muito bem.

A corrida andou bem para mim porque eu estava liderando na frente de Bertram Schäfer, Conny Andersson e outros pilotos mais experientes, mas depois houve chuva e em condições escorregadias eu abrandei e terminei em terceiro. Foi um bom resultado que me lançou para vencer o campeonato. Então em 1977 eu voltei para Nürburgring na F2 com a mesma equipe Trivellato-Chevron e um motor BMW. Eu adorei o circuito e isso, aliado a experiência do ano anterior, permitiu-me mostrar minha capacidade para o mundo da F2 e da F1 - naqueles dias um monte de pilotos da F1 haviam corrido na F2 como Clay Regazzoni, Hans Stuck, Jochen Mass, Brian Henton. Regazzoni havia estabelecido a volta recorde em Nürburgring em 76 com a Ferrari na última vez que correu lá. Ele fez um 6:55, eu acho, e eu fiz a pole para a corrida de F2 com 7:15, três segundos mais rápido do que qualquer um. Duas semanas depois eu estava correndo em Monte Carlo para o meu primeiro GP.

Se eu pudesse ter competido em Nürburgring na F1 é claro que eu não teria dito não. Teria sido fantástico. Esse circuito tem um desafio especial. Isso lhe dá uma satisfação particular. Tivemos esses tipos de desafios no passado. Para ser mais rápido do que qualquer pessoa lá você sabia que era o mais rápido e o melhor. O desafio era consigo mesmo e com o circuito. Claro que você sabia que havia grandes riscos, mas a satisfação e o prazer era tão grande que você não se importava muito com isso.?"



Q - "... Como você avaliaria Thierry Boutsen quando eram companheiros de equipe na Williams?..."

RP - "Nós sempre trabalhamos muito bem juntos e eramos amigos, como somos agora. Um bom companheiro de equipe e uma boa pessoa."


Q - "Será que você irá dirigir na Mille Miglia?"

RP - "Eu fiz este evento uma vez quando estava correndo com a Alfa Romeo em 1984, eu acho. Eu fiz a uma seção de Brescia para Verona como parte do PR para a Alfa."



VAV - "Você acha que a falta de experiência nos seus primeiros anos atrapalharam sua carreira á longo prazo?"

RP - "A F1 agora não é a mesma de 30 anos atrás. Muitos pilotos hoje tem falta de experiência porque eles são muito jovens. Quando eu entrei na Fórmula 1 eu tinha 23 anos de idade e era um dos mais jovens pilotos, mas eu nunca poderia ter ganho o campeonato em meu segundo ano. Agora, com um bom carro, foi provado por Hamilton e até por Vettel que você pode ganhar um campeonato quando você é tão jovem.

Quando eu comecei na F1 ninguém podia ensina-lo a dirigir o carro. Agora, com todos os computadores, eles ensinam você como dirigir o carro. Essa é a principal diferença. Além disso, os carros agora são muito mais confortáveis para dirigir e muito mais confiáveis. Se você cometer um erro e sair da pista tem um monte de áreas de escape para você raramente danificar o carro. Isso tudo significa que um piloto pode aprender muito mais rápido do que no meu tempo quando você tinha que fazer sua própria experiência através dos erros.

Por exemplo, quando eu fui para Interlagos - um circuito muito desafiador - pela primeira vez, eu tive que aprender durante o fim-de-semana de corrida, em seguida, na corrida. Isso meu deu experiência. No ano seguinte, indo de volta para Interlagos, eu sabia o que esperar e poderia aproveitar essa experiência para um melhor desempenho, assim foi a cada ano, voltei para Interlagos e, depois, talvez a minha experiência me deu uma vantagem sobre os pilotos menos experientes. Hoje, qual é o problema? Tudo que você precisa fazer é ir pro simulador centenas de vezes. É completamente diferente."



Q - "O seu gesto após o GP de Mônaco de 1982 é impagável... ainda se lembra daquele dia?"

RP - "Eu estava muito confuso naquele momento em particular, porque eu não sabia que eu tinha ganho a corrida! Depois do meu erro, eu pensei que tinha terminado em segundo, porque eu vi na minha frente que havia uma Williams e eu pensava que era o de Rosberg, mas afinal era o Derek Daly. Eu pensei que Rosberg tinha vencido a corrida e por isso eu estava confuso quando eles me encaminharam para o pódio. Alguém de um dos patrocinadores estava dizendo para mim 'Riccardo, Riccardo, você ganhou a corrida', e eu estava perguntando 'você tem certeza, porque eu não sei nada?!' Naturalmente, naqueles dias, não tínhamos um rádio de modo que ninguém me poderia dizer o resultado, como eles podem agora. Eu fui imediatamente para o pódio para ser recebido pela Princess Grace, então não houve tempo para ver os meus mecânicos antes de receber o troféu.

Uma outra história sobre essa corrida... Eu nunca entendi por que cometi um erro na Mirabeau. Todos achavam que eu tinha sido estúpido para fazer tal erro, quando liderava a corrida a uma volta do fim. Trinta anos mais tarde, o Derek Daly disse a revista Motor Sport que ele tinha danificado sua caixa de velocidades do seu Williams e havia óleo na pista. A chuva e o óleo - que eu não conseguia ver - foi o que causou a rodada, mas eu só descobri isso anos mais tarde! Eu nunca poderia entender. Eu estava indo muito devagar, muito cauteloso, em primeira marcha, sendo muito cuidadoso porque poderia ganhar o Grande Prêmio, mas então eu rodei e eu pensei 'm****, eu perdi a corrida, por que eu cometi um erro tão estupido?!' Agora já sei!


Q - "Você já viu a Fórmula E? Se sim, o que tem a falar sobre ela?"

RP - "Eu realmente vi só uma corrida, eu acho que na China, quando eu vi alguns highlights. Eu realmente não tenho uma opinião formada sobre esta série. Para mim, uma das coisas mais importantes no automobilismo é o barulho, que faz com que haja emoção e alimenta a atmosfera para os fãs. Se não há barulho, acho que perde um pouco dessa magia."



Q - "Você trabalhou com companheiros de equipe como Nelson Piquet, Nigel Mansell e Michael Schumacher. Que pontos fortes você recorda e por quê? Até que ponto eles eram duros na pista?"

RP - "Eram todos campeões do mundo, logo, eles eram especiais, mas de todos eles, o mais especial foi Michael. Imediatamente após o meu primeiro teste com a Benetton, em Silverstone, eu podia ver que ele tinha um talento especial. Ele era jovem, mas pelo que pude ver como seu companheiro de equipe, eu sabia que ele poderia ser um dos maiores. Mais tarde, todos viram-no ganhar 92 corridas e 7 campeonatos mundiais. De todos os meus companheiros de equipe, ele foi o mais forte.

Com os outros pilotos, se estivesse no meu dia, eu conseguia fazer voltas mais rápidas do que eles e batê-los em algumas corridas, mas todos eles eram fortes: Alan Jones, Nelson Piquet, Nigel Mansell, eram todos fortes mas eu conseguia ser competitivo contra eles."



Q - "Como foi sua relação com Nigel Mansell durante 91 e 92? Era como Hamilton/Rosberg?"

RP - "Não, era um bom relacionamento. Definitivamente um bom relacionamento, nenhum problema. A atmosfera foi muito boa e nós ainda continuamos a ser bons amigos agora. Eu tenho que dizer que éramos fortes concorrentes, mas tínhamos um bom relacionamento. 

Saiu em um livro de Maurice Hamilton que, em 1992, Nigel não estava compartilhando todos os seus dados com a equipe, mas eu nunca soube disso na época. Nesse ano tivemos muitas informações sobre o carro, então eu e Nigel tínhamos muito o que fazer, mas do meu lado tudo foi colocado sobre a mesa e compartilhado e, se eu descobrisse algo bom, estaria lá para ele ver, mas eu só soube mais tarde que ele não estava colocando tudo sobre a mesa. Eu não gostava de dizer isso há alguns anos, mas ás vezes eu acho que você pode ser um campeão, um bom piloto, mas as vezes você tinha que ser um pouco bastardo. Essa é a história de muitos campeões mundiais. Eu admirava Ayrton, ele era o melhor junto com Michael Schumacher, mas quando ele estava correndo ele era duro. Para estar a frente do resto, às vezes você tem que ser um pouco injusto.

Mas sobre o meu relacionamento com Nigel, mesmo agora que eu sei que ele estava jogando alguns joguinhos em 1992, não há problema. Ele disse que tinha muitos problemas com seus companheiros de equipe, mas não comigo, e que essa relação foi muito boa e eu digo a mesma coisa."



Q - " Se a Brabham tivesse mantido o motor Ford durante todo 1982, você acha que poderia ter disputado pelo título?"

RP - "O turbo foi o caminho a percorrer porque na verdade não era possível ganhar o campeonato pois a Ferrari estava dominando. Mas em seguida eles perderam tanto Villeneuve quanto Pironi, perdendo assim a chance de ganhar o campeonato por causa desses acidentes. Sem isso, não havia dúvida de que eles seriam campeões. BMW disse que eles tinham que usar o ano para desenvolver o motor e o carro para estar competitivo no ano seguinte, e foi a decisão certa, porque, em 1983, Nelson ganhou o campeonato."


Q - "Riccardo, você teve uma carreira extremamente interessante, e durante um momento muito interessante da F1. Você já pensou em escrever um livro sobre isso?"

RP - "As pessoas falam para mim por quê de eu não escrever um livro, mas não é um coisa simples de fazer. Para fazer um livre é um monte de trabalho, porque se você quiser fazê-lo bem, você tem que pensar muito sobre sua vida e carreira, e você tem que encontrar a pessoa certa para escrever. Se eu livro for bem feito, pode ser bem sucedido, mas há alguns livros sobre pessoas de esporte que ninguém lê porque elas não estão interessadas, por isso é difícil de fazer e fazer bem. Por exemplo, eu encontrei o livro de Agassi e achei fantástico porque foi escrito de uma maneira muito boa. Claro que ele era o número um do tennis e teve uma vida interessante cheia de ingredientes para fazer uma boa história quando bem escrito, por isso, eu tenho que encontrar o escritor correto para o trabalho, porque, caso contrário, ele pode ser um dos livros que ninguém se preocupa. Nós temos alguém em mente para escrever e estamos discutindo isso."



Q - "O seu número favorito é o 6, não é? Você poderia, por favor, me dizer por que você escolheu as cores branco e azul para o seu capacete?"

RP - "Sim, 6 é meu número favorito. Meu irmão escolheu as cores e desenhou meu capacete. Eu tinha gostado de azul desde quando eu era um menino e é minha cor favorita."


Q - "Você teve vários companheiros de equipe quando correu em sportscars, Wollek, Nannini, Alboreto por exemplo, houve um co-piloto em particular que você sentiu que funcionou melhor?"

RP - "Bem, na verdade eu trabalhei com todos eles muito bem. Eu era muito amigo do Alessandro, e foi divertido conduzir com ele, e Michele bem como, e com Bob foi ok, mas o que mais me lembro é Walter Rohl porque nós fizemos a primeira corrida para a Lancia em Brands Hatch, e é claro que ele era um campeão do mundo vindo para os sportscar e quando ele chegou ele foi muito impressionante. Eu também dirigi com Piercarlo Ghinzani e Teo Fabi, mas fomos uma boa equipe e a atmosfera na Lancia era sempre muito boa.

Eu vim para os sportscar principalmente por causa de Cesare Fiorio, que me queria na equipe quando a Lancia começou o programa, mas antes eu nunca pensei que eu seria um piloto de endurance. Eu gostei das corridas de 6 horas, corridas de 1000Kms, muito porque eram corridas de curta distância, mas eu não gostava das vinte e quatro horas. Agora você vai para Le Mans e é como uma corrida curta de 24 horas porque os carros são confiáveis e você pode forçar a partir do primeiro minuto até o fim, mas antes você realmente tinha que salvar o carro, consumo de combustível e era realmente chato um pouco chato por causa disso, então eu preferia as corridas curtas.

Compartilhando o carro estava ok, pois Alessandro era piloto de F1, Michele era piloto de F1, a Lancia era composta, em sua maior parte, de pilotos de F1, então você sabia, quando você entregou seu carro para seu companheiro de equipe, que ele era um piloto rápido."


Q - "Riccardo, durante sua carreira na F1 você dirigiu uma variedade de diferentes carros; qual você diria que foi o seu favorito?"

RP - "Seria a Brabham BT49D, o carro que eu ganhei meu primeiro GP. Além disso, a Williams FW14 de 1991. Nestes carros havia pouca ou nenhuma eletrônica envolvida e para mim como piloto havia mais sentimento. Você realmente pode sentir o carro e mostrar sua capacidade."

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Essas foram as perguntas respondidas pelo italiano Riccardo Patrese, vice-campeão da temporada de 1992 e vencedor de 6 corridas em fantásticas 17 temporadas na categoria máxima do automobilismo. Um homem, como disse o Paulo Teixeira, duro de se arrumar uma entrevista, mas que quando nos dá a chance não devemos desperdiça-la. Apesar de não ter respondido 4 perguntas que fiz em um dos comentários, agradeço pela atenção dada ao que foi respondido.

Qualquer erro ortográfico, por favor, comente para que eu possa corrigir...

Imagens tiradas do Google Imagens

Nenhum comentário:

Postar um comentário