quarta-feira, 1 de junho de 2016

30 anos - A morte de Jo Gartner


Típico exemplo de que idade nunca será documento no automobilismo, Jo Gartner teve talento suficiente para se tornar um dos mais famosos meteoros austríacos das décadas de 70 e 80.

Aos 18, Josef era um mero mecânico que havia acabado de se envolver com automobilismo. Poucos anos depois se tornou piloto de uma das categorias mais baratas e populares da Europa, a Fórmula Super Vee, na qual conquistou resultados satisfatórios que o colocaram na terceira posição ao final da temporada de 1977.

O austríaco já alçava objetivos mais desafiadores nos fórmulas superiores.

Sem nunca ter um equipamento decente, Gartner conseguia resultados pouco satisfatórios, mas que eram, ao menos, chamativos. O austríaco resistia ao tempo na Fórmula 2 com carros velhos e sem quaisquer chances de vitória.

Depois de um duro 1982, conquistando apenas um ponto pelo time de Arturo Merzario, Gartner ingressou na Emco, onde, em 1983, conquistaria uma das vitórias mais importantes de sua carreira.

No tradicional GP de Pau, o austríaco se beneficiou das desclassificações de Ferté e Bellof, sendo declarado o vencedor da prova. Com o surpreendente resultado, Gartner conseguiu o patrocínio da Milde Sorte, empresa de cigarros austríaca, que no ano seguinte ajudaria-o a conseguir uma vaga na Fórmula 1, pela Osella.

O austríaco surpreendeu o paddock em sua estreia.

Com um velho FA1E, de motor V8 aspirado da Alfa Romeo, o garoto que doze anos antes era apenas um mecânico estreava na categoria máxima do automobilismo.

Sua estreia acabaria por ser surpreendente. Naquela altura do campeonato, a Osella não parecia ter equipamento para combater a RAM, o que colocava a participação de Gartner na corrida em xeque, especialmente por este estar com o modelo de 1983. Mesmo assim, o austríaco acabou superando seu companheiro para conquistar um 26º lugar no grid de largada.

Para aumentar ainda mais a magnitude de seus feitos, o jovem austríaco andou boa parte da corrida duelando contra os RAM de Alliot e Palmer, chegando a estar a frente de ambos. Infelizmente, Gartner abandonaria na volta 46 com problemas em seu propulsor Alfa Romeo. Apesar do bom desempenho, Jo só voltaria a ter um carro no GP da Grã-Bretanha, em Brands Hatch, quando finalmente estrearia seu FA1F de motor turbo.

Um quinto lugar que não valeu...

Após bater na Inglaterra e abandonar na Alemanha, Gartner voltou a se apresentar no GP da Áustria, onde um ano antes quase havia feito sua estreia pela ATS. Em casa, Josef tinha um desempenho empolgante na promissora décima sétima colocação quando enfrentou novos problemas em seu Osella. Mal sabia ele que, semanas depois, conquistaria seu melhor resultado na Fórmula 1.

Depois de terminar sua primeira corrida, em Zandvoort, Jo Gartner tinha suas esperanças renovadas para Monza, um circuito onde os carros equipados com motor Alfa teriam seu melhor momento em todo o ano. Após largar em vigésimo quarto, o austríaco começou a ganhar várias posições com os diversos problemas que atingiram os ponteiros. Nas últimas voltas, tomou a sexta colocação que mais tarde se tornaria quinta com o abandono de Ghinzani.

Em sua última corrida na F1, Gartner superou Berger...

Estava feita a festa: Gartner terminou no fantástico quinto posto.

Infelizmente, por ter inscrito apenas um carro para a temporada de 1984, a Osella não teria o direito de marcar pontos com um segundo bólido, algo que Berger também sofreu na ATS naquela ocasião.

Jo Gartner terminaria a temporada com o desejo de ingressar na Arrows em 1985, disputando a vaga de Marc Surer com seu compatriota Gerhard Berger. Mesmo após supera-lo em Monza, e voltar a ter um desempenho superior no Estoril, Gartner viu a Arrows escolher seu conterrâneo, deixando-o sem rumo definido na Fórmula 1.

O austríaco ainda bateria na porta de Toleman e de Osella, tentando um retorno, porém estes prefeririam um piloto mais afortunado que fosse capaz de tira-los do sufoco financeiro que sofriam naquela época. Sem caminhos para seguir, Gartner viu no WSC a chance de mostrar que era capaz de competir em alto nível contra os melhores. No início de 1985, conseguiu um lugar na Fitzpatrick Racing.


Sua estreia, nos 1000Km de Monza, não foi tão surpreendente como havia feito na Fórmula 1, enfrentando problemas que o tiraram da prova. Semanas depois, em Silverstone, voltaria a abandonar antes de partir para La Sarthe. Com seu Porsche 516B, Gartner ficou apenas uma volta atrás do trio oficial da fábrica alemã, terminando na ótima quarta colocação ao lado de David Hobbs e Guy Edwards.

Em 1986, acabaria vencendo as 12 Horas de Sebring ao lado de Bob Akin e Hans-Joachim Stuck antes de conquistar um pódio nos 1000Km de Silverstone dividindo seu Porsche Kremer com Tiff Needell. Suas interessantes performances e ótimos resultados colocaram-o numa confortável posição em relação à 1987, quando poderia ingressar na Rothmans Porsche, equipe oficial da marca alemã. Quase um mês após terminar em terceiro no Silverstone, Jo Gartner estava de volta às 24 Horas de Le Mans com seu Porsche, agora da Kremer e ao lado de Sarel van der Merwe e Kunimiso Takahashi.


A largada havia sido dada no dia 31 de maio, e já estávamos em junho quando Jo Gartner entrou em seu 962C para mais algumas voltas. Após a troca com van der Merwe, nenhum problema foi detectado no bólido negro que rapidamente foi liberado para retornar à pista.

Poucos minutos depois, o paddock entraria em choque com a notícia de que o carro número #10 guiado por Gartner havia embatido fortemente contra o muro e um poste telefônico, sofrendo ainda um pequeno incêndio. Não tardaria para que todos soubessem que Josef Gartner havia morrido no local, após quebrar o pescoço no impacto.

Era madrugada quando a notícia de que Jo Gartner havia morrido se propagou no mundo do esporte a motor. Em sinal de luto, a equipe Kremer retirou seu segundo carro da prova, que acabaria sendo vencida pelo Rothmans Porsche de Bell, Stuck e Holbert, no bólido na qual o austríaco tanto aspirava para 1987...


O motivo do despiste de Gartner se mantém um mistério até hoje. Alguns acreditam na teoria de que um animal atravessou a pista no momento em que o austríaco passava, enquanto a possibilidade de que as rodas traseiras travaram é a mais aceita. O fato do câmbio estar travado entre a quarta e a quinta marcha apontam para um provável travão dos pneus traseiros.

Jo Gartner caiu no esquecimento do público, muito provavelmente pela falta de uma "performance de campeão" que marcasse sua carreira. Mas seu talento ainda se mantém vivo na memória daqueles que um dia acompanharam aquele garoto austríaco que viveu os altos e baixos de uma vida: começou como mecânico, sofreu nas pequenas categorias, chegou à Fórmula 1 e se tornou vítima dela, achando no endurance um lugar na qual economia nenhuma poderia atrapalha-lo...


Além de fazer parte da famosa geração perdida de pilotos austríacos, Gartner é uma das primeiras vítimas dos altos custos da Fórmula 1. Sem espaço nela, Josef só tinha uma chance para se manter no cenário mundial com sucesso: tinha que vencer no WSC. Lá, o austríaco encontrou o caminho do sucesso, se tornando um jovem promissor e quase alcançando o mais sonhado cockpit da época.

A vida pode ter sido injusta com Jo Gartner, mas, se olharmos de outro ponto de vista, podemos dizer que o austríaco fez tudo que é sonhado por um amante do automobilismo, e, o melhor, sem deixar a desejar em nenhum momento de sua carreira.

Adeus, Josef.

Imagens

4 comentários: